Karatê.

Por um momento pensei que fosse ano que vem.

Pensei que já era o futuro e tudo estava mais do que esperei.

Ano que vem ainda vejo filmes velhos. Sabe aqueles que a gente vê centenas de vezes e não cansa? Tinha ali o vilão e a mocinha. O tal do herói não tinha chegado ainda. Foi em casa, fez uma pausa para tomar café. Ligou para a mocinha dizendo “Já tô indo”. Sempre é bom avisar, mas não nesse caso, afinal ninguém sabe o que acontece em cabeça de vilão. Imagina se ele resolvesse parar de esperar o momento certo para acabar com aquilo?

Ah… Se a mocinha soubesse lutar krav maga! Tudo isso já estaria resolvido e o herói poderia quem sabe até tirar um cochilo antes de resolver sair. Ela com certeza não ficaria ali amarrada sem poder falar.

Decidido. Ano que vem ela vai visitar o sr. Miyagi. Quem sabe essa história não acaba de outro jeito.